Com a presença de Rodrigo Spada, Movimento Viva, Febrafite e Congresso em Foco realizaram, nesta quinta-feira (29), debate on-line sobre a proposta de reforma tributária estadual discutida no Rio Grande do Sul.

live icms 2.0

Para apresentar o projeto de ICMS 2.0, estiveram presentes no debate Eduardo Leite (PSDB-RS), governador do estado, Giovanni Padilha, auditor fiscal e coordenador da proposta, e o secretário da Fazenda Marco Aurélio Cardoso. Esteve presente também o vice-relator da comissão de reforma tributária no Senado, Major Olímpio (PSL-SP).

“Reforma ampla que visa simplificar”

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB-RS), explicou os principais pilares da proposta em discussão, baseada na simplificação e manutenção da competitividade e da arrecadação, e que deve ser encaminhada para a Assembleia Legislativa.

“É uma reforma ampla que busca simplificar, reduzir a carga sobre a produção, reduzir a carga tributária, com equilíbrio das contas públicas”, disse.

infografico icms 2.0

Além disso, o governador afirmou que apoia uma reforma tributária nacional ampla e profunda, mas destacou que o estado gaúcho não pode esperar o “tempo político e de implementação”.

“Não podemos esperar tempo político, nem tempo de implementação para uma reforma nacional. Aqui no Rio Grande do Sul, a gente tem uma lógica de ação política aqui no nosso governo”, explicou.

Solução para o estado, mas já preparada para a reforma nacional

Com alto grau de endividamento e estrangulamento fiscal, Marco Aurélio Cardoso, secretário da Fazenda/RS, defendeu uma reforma local, reforçou que a reforma proposta já foi planejada para se adaptar a reforma tributária nacional.

“O modelo [atual] é altamente ineficiente do ponto de vista econômico e social. O que queremos é um ICMS distribuído, deixando as alíquotas menos desalinhadas, preparando para uma transformação futura do imposto”, comentou.

Coordenador do ICMS 2.0

Auditor fiscal do Rio Grande do Sul Giovanni Padilha coordenou o projeto discutido no estado sulista explanou sobre aspectos técnicos do ICMS 2.0, e abordou a “personalização”, ou seja, a devolução de parte do imposto às famílias mais pobres, pretendida no modelo em questão.

“Vamos tributar todos os produtos da cesta básica igual, e devolvemos para as famílias mais pobres diretamente para compensar o aumento. Assim conseguimos que a carga fique mais próxima de sua capacidade contributiva e de fato o imposto não seja tão regressivo”, destacou.

Para Rodrigo Spada, a mudança proposta vai ao encontro das necessidades de modernização do sistema tributário e destaca o ambiente de discussão da proposta criada pelo governo do RS. “Essa proposta deveria servir de exemplo para outros estados e para o governo federal. Primeiro pela predisposição ao diálogo antes de encaminhar a proposta. O governo fez o contrário. E isso interdita possíveis propostas”.

Spada ressaltou também que a dificuldade de uma reforma ampla e de caráter nacional não pode impedir os estados de avançarem.

“Vemos com bons olhos a reforma do Rio Grande do Sul. Ela traz justiça fiscal, na medida que diminui a tributação sobre consumo e aumenta a sobre o patrimônio. Esperamos que esse seja o modelo adotado para termos um país mais fraterno.”

Assista à live completa aqui.